29 de out de 2016

O que é Libras?


Libras é a sigla da Língua Brasileira de Sinais. As Línguas de Sinais (LS) são as línguas naturais das comunidades surdas. 

Ao contrário do que muitos imaginam, as Línguas de Sinais não são simplesmente mímicas e gestos soltos, utilizados pelos surdos para facilitar a comunicação. São línguas com estruturas gramaticais próprias.

Atribui-se às Línguas de Sinais o status de língua porque elas também são compostas pelos níveis linguísticos: o fonológico, o morfológico, o sintático e o semântico.
O que é denominado de palavra ou item lexical nas línguas oral-auditivas são denominados sinais nas línguas de sinais. O que diferencia as Línguas de Sinais das demais línguas é a sua modalidade visual-espacial.

Assim, uma pessoa que entra em contato com uma Língua de Sinais irá aprender uma outra língua, como o Francês, Inglês etc. Os seus usuários podem discutir filosofia ou política e até mesmo produzir poemas e peças teatrais.

Informações Técnicas:

LIBRAS

A LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) tem sua origem na Língua de Sinais Francesa. As Línguas de Sinais não são universais. Cada país possui a sua própria língua de sinais, que sofre as influências da cultura nacional. Como qualquer outra língua, ela também possui expressões que diferem de região para região (os regionalismos), o que a legitima ainda mais como língua.


SINAIS
Os sinais são formados a partir da combinação da forma e do movimento das mãos e do ponto no corpo ou no espaço onde esses sinais são feitos. Nas línguas de sinais podem ser encontrados os seguintes parâmetros que formarão os sinais:
2.1 Configuração das mãos: São formas das mãos que podem ser da datilologia (alfabeto manual) ou outras formas feitas pela mão predominante (mão direita para os destros ou esquerda para os canhotos), ou pelas duas mãos.

Os sinais DESCULPAR, EVITAR e IDADE, por exemplo, possuem a mesma configuração de mão (com a letra y). A diferença é que cada uma é produzida em um ponto diferente no corpo.

2.2 Ponto de articulação: é o lugar onde incide a mão predominante configurada, ou seja, local onde é feito o sinal, podendo tocar alguma parte do corpo ou estar em um espaço neutro.

2.3 Movimento: Os sinais podem ter um movimento ou não. Por exemplo, os sinais PENSAR e EM-PÉ não têm movimento; já os sinais EVITAR e TRABALHAR possuem movimento.

2.4 Expressão facial e/ou corporal: As expressões faciais / corporais são de fundamental importância para o entendimento real do sinal, sendo que a entonação em Língua de Sinais é feita pela expressão facial.

2.5 Orientação/Direção: Os sinais têm uma direção com relação aos parâmetros acima. Assim, os verbos IR e VIR se opõem em relação à direcionalidade.


3 Convenções da LIBRAS

3.1 A grafia: os sinais em LIBRAS, para simplificação, serão representados na Língua Portuguesa em letra maiúscula. Ex.: CASA, INSTRUTOR.

3.2 A datilologia (alfabeto manual): usada para expressar nomes de pessoas, lugares e outras palavras que não possuem sinal, estará representada pelas palavras separadas por hífen. Ex.: M-A-R-I-A, H-I-P-Ó-T-E-S-E.

3.3 Os verbos: serão apresentados no infinitivo. Todas as concordâncias e conjugações são feitas no espaço. Ex.: EU QUERER CURSO.

3.4 As frases: obedecerão à estrutura da LIBRAS, e não à do Português. Ex.: VOCÊ GOSTAR CURSO? (Você gosta do curso?)

3.5 Os pronomes pessoais: serão representados pelo sistema de apontação. Apontar em LIBRAS é culturalmente e gramaticalmente aceito.

Para conversar em LIBRAS não basta apenas conhecer os sinais de forma solta, é necessário conhecer a sua estrutura gramatical, combinando-os em frases.
Leitura Recomendada:
FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS
Gladis Perlin e Karin Strobel
Universidade Federal de Santa Catarina
Programas de Licenciatura e Bacharelado LIBRAS

Fonte: Portal Libras






25 de set de 2015

Vereadores vão elaborar Projeto de Lei para criação da Central de Libras para Surdos, em Imperatriz


Imperatriz – A audiência pública realizada na quinta-feira (24) dirigida pelo presidente da Comissão de Educação, Cultura, Lazer e Turismo; vereador João Silva (PRB), discutiu propostas de um Projeto de Lei Municipal para criação da Central de Libras de Imperatriz para Surdos.


A Central de Libras tem o objetivo de oferecer suporte aos deficientes auditivos, com intérpretes para realização de consultas médicas, audiências em fóruns, seleção de empregos, entre outros, garantindo acessibilidade e maior qualidade de vida.

Solicitado pelo Instituto Sociocultural e Educacional dos Surdos do Sul do Maranhão (ISSULMA), o debate foi proposto pelo vereador Fidelis Uchoa (PRB), que falou sobre as dificuldades que os surdos vivem no dia a dia, afirmando que “a criação da Central vai melhorar muito a vida dessas pessoas”.


Com a ajuda de uma intérprete, o especialista em Língua Brasileira de Sinais Isaías Leão lembrou o Dia Nacional dos Surdos, que é comemorado no próximo dia 26, e que marca uma luta diária em todo o Brasil, na questão da acessibilidade. “A vida do surdo em Imperatriz é sofrida. Não tem intérpretes, ele precisa ampliar seu vocabulário. Essa central de Libras é muito importante porque os pais dos surdos não podem estar o tempo todo levando os filhos, nos bancos, nos consultórios. Nesses lugares não tem intérprete. Como ele vai se comunicar?”

O vereador Adonilson Lima (PC do B) relatou sua satisfação em ver o Poder Legislativo promovendo uma discussão tão importante e decisiva, envolvendo mais de 45 milhões de brasileiros. “O poder público quase sempre, quando é cobrado se esconde, usa mecanismos, monta estratégias para não estabelecer o direito das pessoas. É lógico que uma central tem que ser criada e que o poder público possa pagar, resolvendo problemas de uma comunidade gigante na nossa região.”

Ao encerrar a audiência, o vereador João Silva, pediu urgência na elaboração das propostas. “Tragam o projeto com urgência para ser analisado e votado, para que, antes de dezembro possamos entregar esta Lei pronta, antes do término do período legislativo.



Fonte: Blog da Kelly

24 de set de 2015

COMEMORAÇÃO DIA NACIONAL DOS SURDOS - DIA 26 DE SETEMBRO



"A surdez deve ser reconhecida como apenas mais um aspecto das infinitas possibilidades da diversidade humana, pois ser Surdo não é melhor ou pior do que ser ouvinte é apenas diferente.
Eu nasci Surdo e, como só se perde aquilo que se tem, nunca perdi a audição, pois nunca a tive. Eu tenho direito de viver assim e o mundo tem o dever de aceitar minha diferença.”
PIMENTA

Taguatinga tem a única escola para surdos do DF

Na Escola Bilíngue Libras e Português Escrito de Taguatinga, localizada na QNH 3, muitos alunos encontraram o refúgio que tanto precisavam para um desenvolvimento educacional propício.

22-09-2015_flagrantescolabilíngueTaguatinga

DISTRITO FEDERAL – Com 120 alunos deficientes auditivos, a instituição é pública e foi inaugurada há dois anos, após anos de luta da comunidade surda brasiliense. A unidade sonha com o dia em que poderá atender, com estrutura digna e adaptada, a todos os surdos do DF. Em agosto de 2013 a Escola Classe 21 de Taguatinga foi transformada em Escola Bilíngue Libras e Português Escrito pela Portaria nº 171/2013, da Secretaria de Educação do DF.

A escola foi instituída após a sanção da Lei nº 5.016/2013, que estabelece diretrizes e parâmetros para o desenvolvimento de políticas públicas educacionais voltadas à educação bilíngue para surdos, a serem implantadas e implementadas no âmbito do DF.
Veja mais sobre a escola em: https://www.facebook.com/escolaclasse21
Fonte: Surdosol

21 de set de 2015

SETEMBRO AZUL






Orgulho SURDO...

Tornou-se parte da cultura surda usar uma fita azul
- Uma conhecida fita azul representa um motivo: ela engloba uma história, uma cultura, uma língua, um povo.
- A fita azul representa a opressão enfrentada pelas pessoas surdas ao longo da história.
- A cor azul foi escolhida para representar "O Orgulho Surdo", para homenagear todos os que morreram depois de serem classificados como "surdo" durante o reinado da Alemanha nazista.
- Hoje em dia ela representa as suas silenciosas vozes em um mar de línguas faladas.
- A fita azul foi introduzida em Brisbane, na Austrália, em julho de 1999, no Congresso Mundial da Federação Mundial de Surdos. Durante o evento foi feita a sensibilização da luta dos Surdos e suas famílias ouvintes, através dos tempos.
-Ao recordarmos a opressão dos Surdos no passado e hoje, está se tornando claro para um número maior de pessoas que os Surdos podem fazer qualquer coisa, exceto ouvir.
- Aqueles que usam a fita azul têm orgulho em mostrar um pouco de sua própria cultura: A Cultura surda.
Surdez não é uma deficiência, mas uma cultura.


Na Segunda Guerra Mundial, era comum o uso de eutanásia nos hospitais, onde eram mortos bebês surdos.
Posteriormente, tornou-se comum a prática do aborto, que era aplicada quando se suspeitava que os fetos poderiam ter deficiências congénitas, ou qualquer tipo de doença, como no caso da surdez.
Poucos surdos escaparam, sobrevivendo em guetos e nos campos de concentração.

Na Antigüidade os chineses lançavam-nos ao mar, os gauleses sacrificavam-nos aos deuses Teutates, em Esparta eram lançados do alto dos rochedos. 

Na Grécia, os Surdos eram encarados como seres incompetentes. 

Aristóteles, ensinava que os que nasciam surdos, por não possuírem linguagem, não eram capazes de raciocinar. Essa crença, comum na época, fazia com que, na Grécia, os Surdos não recebessem educação secular, não tivessem direitos, fossem marginalizados (juntamente com os deficientes mentais e os doentes) e que muitas vezes fossem condenados à morte. 

No entanto, em 360 a.C., Sócrates, declarou que era aceitável que os Surdos comunicassem com as mãos e o corpo. 

A Igreja Católica, até à Idade Média, cria que os Surdos, diferentemente dos ouvintes, não possuíam uma alma imortal, uma vez que eram incapazes de proferir os sacramentos.


Setembro Azul pode ser entendido como o marco fundamental no que diz respeito à mobilização nacional  na defesa das escolas bilíngüe para surdos, o Setembro Azul é um movimento social motivada por uma critica à atual política de educação especial que tem como prioridade o modelo da inclusão, ou seja, colocar os Surdos em escolas regulares e posteriormente o fechamento das escolas especiais.
O setembro azul prevê seminários, palestras, apresentações teatrais, Passeatas, Audiências Publicas, Exposições, Festas etc. Nos diversos estados brasileiros.


Aqui no Brasil comemoramos o Dia do Surdo em 26 de setembro, porque nesta data foi um marco histórico importante – foi fundada a primeira escola de surdos no Brasil o atual INES – Instituto Nacional de Educação dos Surdos, em Rio de Janeiro no dia 26 de setembro de 1857 pelo prof. Francês surdo Eduard Huet.

Fonte: Um Olhar

20 de nov de 2011



Olá querid@s!


Estou ocupadíssima com a faculdade e trabalhando... Totalmente SEM tempo nenhum de postar no BLOGEstou escrevendo minha monografia.




NÃO ME MANDEM NADA!!! =S




Até breve!
Rayanne A.